sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 1.5 Omega 2.0 e 3.0 Vectra 2.0

Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC 1.5 Omega 2.0 e 3.0, Vectra 2.0 é um sistema multiponto digital que conjuga a injeção de combustível e a ignição. Possui autodiagnóstigo, isto é, reconhece falhas no sistema, memoriza as falhas em forma de códigos de defeito e emite estes códigos através de uma lâmpada indicadora de controle do motor. Assim o mecânico pode fazer a leitura dos códigos de defeito através desta lâmpada ou de um aparelho do tipo SCANNER.
Todo o sistema é controlado pôr uma central eletrónica que chamamos de centralina. Em seu processador interno estão armazenados os dados específicos do motor referentes ao volume de injeção e ângulo avanço da ignição, ou seja o sistema possui injeção e ignição mapeada. Os dados do mapeamento foram obtidos em bancadas de teste dinamômetro. Cada tipo de motor possui seu mapeamento próprio, que é levantado considerando uma série de fatores como série de fatores como, pôr exemplo, uso de equipamento de condicionamento de ar.
Seu funcionamento básico é o mesmo de todos os sistemas de injeção eletrônica. Recebe informações de diversos sensores instalados no veiculo informações sobre quantidade e temperatura do ar na admissão, rotação do motor, posição da borboleta de aceleração, posição da árvore de manivelas. PMS e temperatura do motor. A partir destas informações, o processador calcula o ponto de ignição a quantidade de combustivel a ser injetada. A ignição e a quantidade de combustível são ajustadas também em função das condições de funcionamento, tais como marcha-lenta, carga parcial, carga total, funcionamento a frio e a quente. Tudo isto acontece visando conciliar desempenho, baixo consumo de combustível e baixos valores de emissão de poluentes.
A injeção de combustível é feita através de válvulas injetoras instaladas nos dutos de admissão. Estas válvulas são acionadas através de pulsos elétricos anviados pela centralina sempre que os pistões estiverem próximos do PMS, tanto na admissão como no escape. Este tipo de injeção é chamado de simultâneo todas as válvulas injetoras são acionadas ao mesmo tempo. O combustivel chega até as válvulas injetoras pressurizado pôr uma Bomba elétrica, que também é controlada pela centralina. A pressão do combustivel é controlada através de uma válvula reguladora de pressão.
O MOTRONIC utiliza também um sensor de oxigênio, conhecido como sonda lambda. Sua função é permitir que a centralina mantenha a mistura de ar com combustivel em proporções próximas da ideal para uma combustão completa. Em sistemas com sonda lambda dizemos que seu funcionamento ser dá em circuito fechado. Chama se circuito fechado porque tem um funcionamento cíclico: caso a sonda lambda detecte uma mistura pobre muito ar, a centralina será informada e enriquecerá a mistura injeta mais combustivel; Ao enriquecer a mistura, a sonda lambda vai detectar uma mistura rica e vai informar novamente a centralina, que irá empobrecer a mistura. Novamente a sonda vai detectar mistura pobre e o ciclo vai se repetindo indefinidamente. Pôr ficar alternando entre mistura pobre e mistura rica, na media a mistura fica próxima da ideal.
O MOTRONIC pode ter ainda um sensor de detonação, que vai avisar a centralina sempre que ocorrer detonação no motor batida de pino. Ao ocorrer detonação, a centralina atrasa automaticamente o ponto de ignição até que não ocorra mais a detonação. Após um certo período sem detonação, a centralina adianta novamente o ponto de ignição até o ponto ideal. Isso permite que o motor possa ter uma taxa de compressão maior, melhoramento a combustão reduzindo consumo de combustível e a emissão de poluentes.

O Fim do Omega Suprema

Em 1996 foi decretado o fim da perua Suprema. O Brasil ficou sem um veículo familiar na categoria. Com a chegada do utilitário Blazer, as próprias concessionárias pediram o fim da perua com medo da tão temida “canibalização”, mesmo sendo veículos de categorias distintas.

Em 1997 o volante diminuía de tamanho e a qualidade do acabamento também. A versão mais barata, GLS (a GL não fez sucesso), perdia itens de conforto e conveniência em prol do corte nos custos.

A produção do Chevrolet Omega, marco tecnológico da indústria brasileira, foi encerrada no ano de 1998 no Brasil. Seu sucessor vem da Austrália: trata-se do Holden Comodore, mais caro e que deve ganhar uma nova geração ainda em 2007. Ainda assim, para muitos entusiastas, não houve um substituto a altura para o Omega nacional.



Fonte: Wikipedia
Data: 17/10/2007