sexta-feira, 8 de março de 2013

Como funcionam os carros da Champ Car

por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil

A corrida de Champ Car é um dos esportes tecnologicamente mais avançados do mundo. Tirando os ônibus espaciais e os caças aéreos, os carros da Champ são os veículos mais sofisticados que existem.
Suas armações de fibra de carbono,motores incríveis, aerodinâmica avançada e circuitos eletrônicos inteligentes dão a cada carro um laboratório de pesquisas em alta velocidade. Como o carro da Champ atinge uma velocidade de até 385 km/h, o piloto sofre a ação da força G e trabalha com a entrada de dados tão rapidamente que faz da corrida de Champ Car uma das profissões esportivas mais exigentes do mundo.
Alguma vez você teve interesse em visitar os bastidores e entender como realmente funciona uma corrida da Champ Car? De onde estes carros e motores incríveis vêm? Como os pilotos se tornam pilotos e como eles treinam para cada corrida? Quem é a equipe e quem trabalha nestes carros antes e durante a corrida? O que acontece nos boxes no dia da corrida?
 
Para responder a questões como estas e entender como funciona uma equipe inteira da Champ Car, aprenderemos sobre o carro, o piloto e as pessoas que compõem a Motorola PacWest Racing Team. Neste artigo, saberemos como funciona um carro da Champ Car, de acordo com a equipe Motorola PacWest Racing Team.

Agradecimentos especiais à Motorola Racing Team pelo suporte e informações fornecidas para a produção deste artigo.
      

Agradecimentos especiais também ao PacWest Racing Group, à CART e à FedEx. 

A corrida de Champ Car é um esporte único. Ela exibe carros exóticos em alta velocidade, correndo nos Estados Unidos e ao redor do mundo. O programa CART é uma combinação do estilo Fórmula 1 em pista oval, em quatro tipos bem diferentes de circuitos:
  • Ovais curtas - pistas ovais de menos de 3,2 km de extensão.
  • Super speedways - pistas ovais de 3,2 km ou mais.
  • Circuito de rua - percursos traçados em ruas de dentro da cidade.
  • Circuito de estrada - percursos semelhantes ao do circuito de rua (muitas curvas apertadas e retas curtas), porém em pistas especialmente fechadas, que se diferem das ruas da cidade.
O tipo de pista muda de corrida para corrida: a Champ Car é um esporte incrivelmente diversificado.
Esta diversidade faz a temporada de corridas da Champ Car incrivelmente interessante. As equipes têm que confeccionar carros que sejam flexíveis o suficiente para correr sob todas estas condições. Elas têm que revisar completamente o pacote aerodinâmico, as configurações de suspensão e todos os outros parâmetros em seus carros, para cada corrida, e os pilotos precisam ser extremamente ágeis para terem condições de lidar com as diferentes condições às quais terão que se deparar. Nem mesmo duas corridas dentro da própria Champ Car são parecidas.
Aproximadamente 25 carros e motoristas - como o carro número 18 da Motorola PacWest Racing Team pilotado por Mark Blundell - competem em 20 corridas da Champ Car que constituem a temporada.
Quem sanciona as corridas da Champ Car é a CART ou Championship Auto Racing Teams, Inc. A CART é uma corporação de administração para os esportes, que estabelece as regras que as equipes têm que seguir. Além disso, ela também possibilita à corrida os fiscais que supervisionarão o evento.

Acesse o site da CART e veja mais informações, como a programação datelevisão e os horários das corridas.

O carro númeo 18 é da Motorola PacWest Racing Team. Quem o pilota é Mark Blundell. A Motorola é a patrocinadora oficial do carro e a Mercedes-Benz fornece o motor. A Reynard fornece os chassis e a Firestone, os pneus.

O Fim do Omega Suprema

Em 1996 foi decretado o fim da perua Suprema. O Brasil ficou sem um veículo familiar na categoria. Com a chegada do utilitário Blazer, as próprias concessionárias pediram o fim da perua com medo da tão temida “canibalização”, mesmo sendo veículos de categorias distintas.

Em 1997 o volante diminuía de tamanho e a qualidade do acabamento também. A versão mais barata, GLS (a GL não fez sucesso), perdia itens de conforto e conveniência em prol do corte nos custos.

A produção do Chevrolet Omega, marco tecnológico da indústria brasileira, foi encerrada no ano de 1998 no Brasil. Seu sucessor vem da Austrália: trata-se do Holden Comodore, mais caro e que deve ganhar uma nova geração ainda em 2007. Ainda assim, para muitos entusiastas, não houve um substituto a altura para o Omega nacional.



Fonte: Wikipedia
Data: 17/10/2007